Mosteiro dos Jerónimos

Morada:
Praça do Império
1400-206 Lisboa
Contacto:
213 620 034
7€
Horário: 10h00 - 17h30
Transportes:
Metro / Comboio
COMBOIO: Belém
Autocarro
CARRIS: 15E, 28, 714, 727, 729, 751

Claustros do Mosteiro dos JerónimosO Mosteiro dos Jerónimos (ou de Santa Maria de Belém) é um dos ex-libris de Lisboa. Testemunha a expansão marítima dos portugueses e foi classificado pela UNESCO, em 1983, como Património Mundial. É a jóia da arquitetura manuelina (a variação portuguesa do tardo-gótico, repleta de motivos marítimos e orientais), imerso numa simbologia que remete para a história de Portugal e para as figuras maiores do catolicismo. Foi mandado edificar pelo rei D. Manuel I, em 1496, como panteão da família real e expressão da sua devoção religiosa. Os custos da construção foram suportados pela Vintena da Pimenta, uma taxa de 5% sobre as receitas do comércio com a África e o Oriente. Doado aos monges da Ordem de São Jerónimo (daí o seu nome), com a expulsão das ordens religiosas de Portugal, em 1834, a sua função religiosa reduziu-se a igreja paroquial. Alberga também o Museu de Marinha e o Museu Nacional de Arqueologia.

Portal Sul do Mosteiro dos JerónimosMagnífica fachada voltada para o rio Tejo

As obras de edificação do Mosteiro dos Jerónimos começaram em 1502 e prolongaram-se pelo século XVI, contando com a contribuição de vários arquitetos. Diogo de Boitaca foi o responsável pelo plano geral e elevação das paredes. Em 1516, João de Castilho deu-lhe novo impulso, adicionando as abóbadas das naves, a cobertura da igreja-salão, a sacristia, o admirável claustro octogonal e a fachada do portal sul. Esta entrada lateral, voltada para o rio Tejo, é o centro visual do mosteiro e tem como figura dominante a imagem de Santa Maria de Belém com o Menino. Ao lado, estão estátuas dos profetas, apóstolos e doutores da Igreja. Nos tímpanos (arcos ogivais sobre as portas) figuram cenas da vida de São Jerónimo. Ao alto, surge a imagem do arcanjo São Miguel (anjo custódio de Portugal) e, por debaixo, as armas de Portugal. Jerónimo de Ruão foi o responsável pela conclusão do mosteiro, acrescentando-lhe a capela-mor, cujo estilo maneirista contrasta com o resto do conjunto.

Interior do Mosteiro dos JerónimosPanteão de reis, descobridores e artistas

Nicolau de Chanterene foi o responsável pelas esculturas do portal ocidental, que mostram cenas da vida da Virgem de Belém e os retratos régios de D. Manuel I e D. Maria. Para além da família deste monarca, no mosteiro estão também sepultados os reis D. João III, D. Sebastião e Cardeal D. Henrique. Dentro da igreja-salão, dividida em três naves e cujo interior beneficia da bonita luminosidade filtrada pelos vitrais, encontram-se os túmulos de Vasco da Gama e Luís de Camões. A igreja está decorada com mármores policromos e um retábulo com pinturas que retratam a Paixão de Cristo. Acolhe ainda um famoso sacrário de prata, datado do século XVII, oferecido pelo rei D. Afonso VI em agradecimento pela restauração da independência de Portugal. Nos claustros repousam os restos mortais do poeta Fernando Pessoa, enquanto os do historiador Alexandre Herculano descansam na sala do capítulo.

Informações úteis

A entrada na igreja do Mosteiro dos Jerónimos é livre, mas o bilhete para os claustros e anexos custa 7 euros. Seniores com mais de 65 anos e portadores de deficiência pagam metade desse valor, enquanto os portadores do Cartão Jovem têm um desconto de 60%. Jovens até aos 14 anos e portadores do cartão Lisboa Card não pagam. A entrada é também gratuita até às 14h de domingos e dias feriados. O claustro é visitável de terça-feiras a domingos, das 10h às 17h30 (no inverno) e das 10h às 18h30 (no verão). A última entrada é feita 30 minutos antes do fecho. Como este monumento recebe mais de 600 mil visitantes por ano, por vezes formam-se filas à frente da bilheteira. Encerra às segundas-feiras e dias 1 de janeiro, domingo de Páscoa, 1 de maio e 25 de dezembro. Pode ainda visitar, nas proximidades, a Capela de São Jerónimo, mas as visitas guiadas (apenas às quartas-feiras) são marcadas a partir do mosteiro.